Os ecos do Eco

É a segunda vez em quase duas décadas que o Brasil vai a uma COP no escuro

O boletim especial em áudio apresentado pelo O Eco discute o fato de o Brasil ter ido para a COP sem os dados oficiais de desmatamento em mãos. É a segunda vez, em quase duas décadas, que o governo federal  vai a uma conferência deste nível no escuro, sem ter as taxas de perda da floresta. A primeira havia sido em 2016, quando a derrubada da mata tropical aumentou 29%.

A explicação dessa ausência de informação pode estar baseada em cenário negativo. Desde o início da COP o Itamaraty tem feito um trabalho para melhorar a imagem negativa do país na área ambiental. Desde 2019, quando começou a gestão de Bolsonaro, o desmatamento vem em alta constante e já ultrapassou a marca de 10 mil km² por ano.

Tanto a data de divulgação das estimativas de desmatamento quanto a forma com que a divulgação dos dados é feita são definidas por poucas pessoas em Brasília. No caso, o presidente e seus ministros.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.