Nesta semana, publicação negacionista ganhou força em meio à crise humanitária na maior terra indígena do Brasil. Por que esse tipo de pensamento ainda tem espaço no Brasil?

A reação bolsonarista à crise humanitária que acomete os Yanomami apresenta todos os padrões característicos do negacionismo. Comunidades historicamente marginalizadas tendem a ter seus dramas negligenciados ou negados por grupos que querem apagar da história acontecimentos específicos – que geralmente envolvem crimes contra a humanidade. 

Não raro as vítimas são transformadas em algozes pelos propagadores de mentiras. Assim foi com os africanos escravizados, com as vítimas do Holocausto, com os desaparecidos nas ditaduras e assim tem sido com os povos originários das Américas. O negacionismo encontrou terreno fértil no Brasil bolsonarista e o caso dos povos Yanomami é mais uma tragédia que os negacionistas tentam apagar.

O negacionismo encontrou terreno fértil no Brasil bolsonarista e o caso dos povos Yanomami é mais uma tragédia que os negacionistas tentam apagar.

André Gobi, historiador, pesquisa a percepção pública da história na imprensa no Labjor/Unicamp

Para entender melhor a questão, é importante primeiro separar revisionismo de negacionismo, pois muitas vezes se confundem e os negacionistas se utilizam disso para ganhar espaço. A revisão de fatos que se tinha como imutáveis faz parte da produção do conhecimento histórico. À medida que novas fontes podem trazer novas visões sobre determinados temas históricos, é possível haver uma revisão após estudos criteriosos e um consenso de grande parte da comunidade, como acontece em todas as áreas científicas. 

Acontece que o negacionismo se traveste de revisionismo e tenta dar “respaldo” científico para falsificações e distorção de evidências. Tradicionalmente, o negacionismo tende a tentar apagar fatos que de alguma forma maculem a imagem de pessoas, partidos ou ideologias que que cometeram atos condenáveis ou criminosos, mas são admiradas por determinados grupos.

Acontece que o negacionismo se traveste de revisionismo e tenta dar “respaldo” científico para falsificações e distorção de evidências.

André Gobi, historiador, pesquisa a percepção pública da história na imprensa no Labjor/Unicamp

O negacionista nem sempre nega um fato todo. Os primeiros negacionistas do Holocausto não negavam a existência dos campos de concentração; negavam que fossem campos de morte, com câmaras de gás e fornos para incineração dos corpos, apagando as evidências do crime. Também negavam o número de mortos, dizendo que muito menos judeus tinham sido mortos do que o divulgado. Tudo não passaria de uma grande conspiração dos judeus, segundo os negacionistas. 

No que eles se baseavam para dizer isso? Em supostas imprecisões nos relatos de sobreviventes dos campos. Por exemplo, um sobrevivente eventualmente dizia não ter visto câmaras de gás. A câmara não ficava exposta, nem todos os presos iam para lá e nem todos os campos possuíam essas câmaras. Mas, para os negadores do Holocausto, um relato de alguém que dizia não ter visto é suficiente para propagar que o genocídio teria sido inventado pela comunidade judaica. Muitos ainda afirmavam que a guerra foi iniciada por judeus contra a Alemanha e Hitler somente contra-atacou. 

É possível ver semelhanças muito próximas na reação discursiva dos bolsonaristas à penúria dos Yanomami. É uma situação que pode se enquadrar como criminosa, a depender de como será julgada e das provas. O governo anterior, até mesmo na figura do ex-presidente Bolsonaro, reconhece que há uma situação, porém ela não é tão grave, que isso tudo “é invenção da esquerda” – de novo a conspiração e o inimigo. 

Isso também transparece no artigo de Gama e Silva, que foi o mais compartilhado entre os bolsonaristas em reação à tragédia Yanomami. O falecido militar abre o artigo dizendo que morou no Amazonas mas nunca viu ou ouviu falar dos Yanomami antes da década de 1970. É o clássico “se não vi, não existe, eu nego” – desde que convenha com suas crenças e ideologias. 

O livro de Menna Barreto, que ele cita, sugere uma conspiração de inimigos que querem tomar a terra brasileira e por isso criam esse povo indígena a fim de obter uma reserva. Nesse ponto, ele toca em outro aspecto característico do negacionismo: o inimigo contra a pátria. O judeu era o inimigo contra a Alemanha, os estrangeiros querem tomar o território da nossa pátria, os comunistas querem tomar o Brasil… e tudo isso serve ao objetivo de propor que os militares precisam tomar o poder para resolver isso à força.

Também há no artigo outro aspecto clássico das narrativas negacionistas: a autoridade que chancela a falsificação. Gama e Silva descreve o autor do livro, Menna Barreto, como um militar de “família ilustre”, que, portanto, seria um sujeito íntegro e digno de respeito, cuja palavra não deve ser contestada. Um dos negacionistas do Holocausto mais conhecidos dos últimos tempos é um David Irving, um historiador (ou escritor de livros de história). Não é porque o sujeito é um militar ou um historiador que ele não é um negacionista. 

E o negacionismo é sempre direcionado a grupos específicos e historicamente marginalizados. Na corrida presidencial de 2018, em entrevista ao programa Roda Viva, o então candidato Bolsonaro afirmou que os portugueses sequer pisavam na África para buscar escravos. Dizia que isso era coisa que os próprios africanos faziam. Assim, ele joga toda a culpa para o outro, “o negro”, e isenta “o branco” (tanto o do passado quanto seus aliados do século 21) de ter responsabilidade social com esses grupos. Outro caso é a retórica de que o Golpe de 64 foi uma contra-ação para evitar que os comunistas tomassem o Brasil. Negam o golpe, negam a tortura, negam os desaparecidos. Bolsonaro chega a empurrar discursivamente para a esquerda o posicionamento político do nazismo, mesmo com o consulado alemão explicando que foi um movimento de extrema-direita. 

A reação bolsonarista à questão Yanomami, portanto, apresenta todas as características do negacionismo. Existe a negação da crise, existe o grupo marginalizado (indígena), existe a criação das conspirações e dos inimigos (esquerda, estrangeiros), existe a tentativa de chancelar intelectualmente (o livro do militar ilustre), a questão do relato (não vi, não existe).


Os artigos de opinião são de responsabilidade do seu autor.

Sobre o autor

Historiador formado pela UNESP, especialista em Jornalismo Científico e mestrando em Divulgação Científica e Cultural, ambos pela UNICAMP. Foi jornalista e editor de publicações científicas. Atualmente desenvolve produções audiovisuais focadas em ciência, meio-ambiente e comunidades tradicionais na Pau a Pique Produções.

E-mail: andregobi84@gmail.com