Emendas parlamentares ou Amazônia?

Estudo mostra que conservar 80% da Amazônia custa 3 vezes menos do que o valor gasto com parlamentares

Uma área que equivale a 83% da Amazônia brasileira tem cerca de 3,5 milhões de km2. Para mantê-la, seriam necessários R$ 10,8 bilhões. Já nos gabinetes de Brasília, dentro do chamado orçamento secreto, como mostra o site ((o))eco, a média de gastos com as emendas parlamentares na atual gestão, por ano, é três vezes superior àquele valor. Seria algo em torno dos R$ 34,8 bilhões, segundo levantamento da Associação Contas Abertas.

Os valores para a manutenção da floresta em pé foram calculados por pesquisadores da Universidade de Miami (EUA), do Museu Paraense Emílio Goeldi, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Conservação Internacional do Brasil.

“Estes valores são bastante modestos quando se compara com os valores potenciais dos serviços ambientais que os ecossistemas da Amazônia brasileira prestam para o Brasil e para o mundo”, diz o pesquisador José Maria Cardoso da Silva, professor da Universidade de Miami e um dos autores do artigo, à repórter Cristiane Prizibisczki.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.