Banco de dados ajudará a fechar o cerco contra crimes ambientais

Universidade Federal do Amazonas, Embrapa e Polícia Federal trabalham em projeto que visa auxiliar na identificação da madeira extraída da floresta

Saber com a maior precisão possível a origem de determinada madeira extraída de algum local da Amazônia brasileira é fundamental quando o objetivo é coibir crimes ambientais. Por isso, como mostra a revista Globo Rural, um projeto que deverá estar pronto até 2024 tem tudo para tornar-se uma ferramenta importante contra o desmatamento.

A parceria envolve equipes da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), da Embrapa Florestas e da Superintendência da Polícia Federal do Amazonas. O objetivo principal da iniciativa é desenvolver um banco de dados com registros das espécies florestais de vários locais da Amazônia, incluindo aquelas ligadas historicamente a altos índices de desmatamento.

O banco de dados deve reunir informações sofisticadas das espécies de madeira, inclusive características genéticas e climáticas das árvores. O acesso rápido à ficha de cada espécie fiscalizada pela PF, por exemplo, pode ser determinante para a elucidação de crimes envolvendo extração, transporte, venda e comercialização de madeira extraída ilegalmente da Amazônia.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.