Aprosoja diz que “Brasil deixou de ser colônia”, e quer mandar nas compras dos países europeus

Entidade brasileira sobe o tom contra intenção do Parlamento Europeu de barrar commodities ligadas ao desmatamento

Levantamento feito pelo Metrópoles estima que a lei proposta pela União Europeia que proíbe importações de commodities agrícolas conectadas ao desmatamento, se aprovada, colocará em risco ao menos US$ 10 bilhões em exportações brasileiras. O texto veta uma lista de commodities, várias delas exportadas pelo Brasil.

A Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja) pediu em nota, e em um tom nada cordial, que os europeus respeitem a soberania nacional.

“A União Europeia precisa entender que não são mais a metrópole do mundo [dona] e que o Brasil e demais países da América do Sul deixaram de ser suas colônias”, diz um trecho da nota divulgada pelo O Globo. Segundo a Aprosoja, o Código Florestal e todo o conjunto de leis ambientais em vigor no Brasil já dão conta das demandas internacionais.

“Além de chamar de “protecionismo comercial disfarçado de preocupação ambiental”, a Aprosoja teme que medidas parecidas sejam seguidas por outros mercados, como a China.

“Se os europeus estão preocupados com nossas florestas, eles poderiam aproveitar a qualidade de suas terras para replantar também as suas florestas e instituir como aqui a reserva legal e as áreas de proteção permanente dentro das propriedades rurais. Portanto, respeitem a nossa soberania!”, complementa o comunicado.

O curioso é a inversão da ideia de soberania: a Aprosoja quer obrigar os europeus a aceitarem seu produto, mesmo se oriundo de áreas desmatadas.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.