49 toneladas de ouro sem licença nem autorização

Estudo da UFMG estima prejuízo socioambiental de R$ 31,4 bilhões por causa da extração de ouro ilegal

Nem sempre é fácil conseguir dimensionar os impactos das atividades criminosas. Porém, pesquisadores da UFMG resolveram aceitar o desafio para o caso específico da extração ilegal de ouro no Brasil.

De acordo com os cálculos dos cientistas, conforme relata o Estadão, 174 toneladas de ouro foram comercializadas pelo Brasil entre 2019 e 2020. Deste total, entretanto, 49 toneladas estão atreladas a atividades ilegais.

O estudo, que também contou com a participação de especialistas do Ministério Público Federal, estimou  ainda o prejuízo socioambiental que o garimpo criminoso gera. A conta chegou a R$ 31,4 bilhões dentro do período analisado.

Um dos problemas encontrados na pesquisa foi o fato de muito da extração de ouro ocorrer em áreas que extrapolam as autorizações de lavra. Hoje, apenas no estado do Amazonas, 8% do território é alvo de algum processo minerário, independente do estágio de tramitação.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.