Aquífero Urucuia está secando

Cientistas divergem sobre a causa, mas mudanças climáticas e uso intensivo da água por grandes produtores estão entre as principais suspeitas

No cenário do oeste da Bahia existe a atuação de vários atores. Desde os anos 1990, o desmatamento acumulado do Cerrado destruiu uma área do tamanho do estado de Alagoas. Os chamados geraizeiros, entretanto, que vivem do cultivo de terras acidentadas onde a agricultura mecanizada não funciona, passaram, nos últimos 30 anos, a sentir mais a falta de água. Isso porque a fonte que está embaixo deles, o Aquífero Urucuia, está secando. Seria por causa da irrigação das grandes propriedades, que produzem milho, soja e algodão?

Os especialistas que estudam o tema, conforme relata a Folha, estão divididos. Além da questão antrópica, pode existir também o curso das mudanças climáticas globais, o que pode afetar também o processo de recarga do aquífero. Ou seja, na contabilidade, está saindo muita água e entrando bem menos no aquífero, porque as chuvas também estão mais escassas.

Apesar de os estudos estarem a todo o vapor, os pesquisadores que conhecem a região admitem que seria importante controlar o volume de água que está sendo retirado do subsolo. Isso porque a ciência pode demorar alguns anos para ter as respostas precisas, e não há tempo a perder para que seja realizado, em um curto intervalo de tempo, o processo de recuperação dessa que é chamada de uma grande caixa d’água subterrânea do oeste da Bahia, responsável, inclusive, por ajudar a  “alimentar” o rio São Francisco.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.