Sem estrutura

Terra Yanomami conta com 3 fiscais do IBAMA e 10 da FUNAI para dar proteção aos indígenas

A Terra Yanomami, entre os estados de Roraima e do Amazonas, tem 9 milhões de hectares, nos quais vivem 30 mil indígenas divididos em mais de 300 comunidades. 

Apesar de ser uma área gigantesca até para os padrões amazônicos existem apenas 3 fiscais do IBAMA e pelo menos 10 da FUNAI trabalhando na região, conforme relata o Portal Amazônia.

Por causa dessa falta de estrutura, o Ministério Público Federal move uma ação civil pública exigindo que o governo federal dê mais condições de trabalho para os dois órgãos. “São pouquíssimos servidores que têm a missão de oferecer proteção aos indígenas numa terra, um território imenso, equivalente ao território de Portugal e que a FUNAI não consegue realizar efetivamente pelo seu quadro enxuto de servidores”, diz Alisson Marugal, procurador da república que assina a ação pública.

De acordo com as lideranças yanomamis, a falta de assistência na área de saúde e a explosão ao garimpo estão trazendo o caos para a região. Além dos efeitos da pandemia, também estão sendo registrados surtos de malária e pneumonia. As crianças, principalmente, também sofrem com a desnutrição.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.