Dinheiro parado nas contas federais

Dados oficiais compilados pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), indicam que apenas 22% dos recursos disponíveis nas contas do IBAMA e do ICMBio para ações contra o desmatamento e as queimadas foram usados

Os órgãos federais responsáveis pela gestão ambiental do país, como o IBAMA e o ICMBio, usaram até setembro apenas 22% das verbas destinadas a eles, publicou o Estadão.

Dentro dos R$ 384,9 milhões destinados especificamente ao combate às queimadas e ao desmatamento estão os recursos do orçamento federal anual, pedidos de créditos extraordinários e emendas parlamentares. Além dos R$ 83,5 milhões já utilizados, outros R$ 187,5 milhões chegaram a ser reservados para pagamentos futuros, segundo aponta o levantamento feito pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), com base em dados oficiais.

A falta de pessoal especializado, por causa do sucateamento do quadro profissional, além da nomeação de pessoal militar sem conhecimento técnico do setor, ajudam a explicar o dinheiro parado nas contas federais. Este ano, o IBAMA também ficou paralisado por quase três meses, com o afastamento da cúpula do órgão, alvo de investigações da PF sobre possíveis esquemas de exportação de madeira ilegal.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.