Operação militar na Amazônia é encerrada

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, anunciou que a presença dos militares na Amazônia para o combate às queimadas e ao desmatamento acabou

Com a não renovação do decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) na 6ª feira (15/10), acabou a operação dos militares na Amazônia.

O decreto que autoriza a participação de tropas no combate aos crimes ambientais como queimadas e desmatamento havia sido publicado em junho pelo presidente Bolsonaro e prorrogado uma vez, em agosto. Bolsonaro, desde que assumiu o posto, já determinou três GLOs na Amazônia. Uma em 2019 e outra em 2020, mas que durou até abril deste ano. A terceira termina agora.

Segundo o vice-presidente Hamilton Mourão, quem anunciou o fim em definitivo do decreto, os militares que servem na região amazônica vão continuar apoiando os órgãos ambientais como o IBAMA e o ICMBio.

Como o Ministério do Meio Ambiente teve o orçamento duplicado, afirmou Mourão a O Globo, caberá à pasta repassar os recursos necessários para o Ministério da Defesa. A coordenação das ações será feita pelo grupo gestor criado pelo governo para a governança da região.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.