Delegado da PF critica dinâmica criminosa em curso na Amazônia

Alexandre Saraiva, delegado da Polícia Federal, afirma em evento que nunca viu um plano de manejo certo na Amazônia, em mais de mil processos que ele acompanhou

Nas palavras do delegado da Polícia Federal, Alexandre Saraiva, o que se vê hoje na Amazônia “é um desastre para a biodiversidade”. Durante evento no Instituto de Engenharia de São Paulo, que recebeu cobertura do Diário da Amazônia, o policial afirmou que organizações criminosas se apoderaram do esquema da madeira ilegal na Amazônia.

“Nunca encontrei na Amazônia um plano de manejo certo. Acompanhei pessoalmente mais de mil processos, e outros colegas muitos outros”, revelou. Para Saraiva, a dinâmica criminosa na Amazônia é algo que se repete desde 1500.

O delegado da Polícia Federal foi responsável pela Operação Handroanthus em 2020, que fez apreensões recordes de madeira ilegal na floresta. Em dezembro, os policiais confiscaram 131,1 mil metros cúbicos de toras extraídas no oeste do Pará.

Contra esse esquema de ilegalidade em relação à madeira existem outros projetos com certificados internacionais, inclusive de comunidades tradicionais, que mostram que uma saída pela bioeconomia é possível para a região.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.