Áreas de pastagens triplicaram na Amazônia entre 1985 e 2020

Representantes do agronegócio repetem que setor não precisa cortar nenhuma árvore para turbinar produção, mas desmatamento continua crescendo

O lado vazio do copo indica que as áreas de pastagens na Amazônia brasileira cresceram 206% entre 1985 e 2020, passando de 19 milhões de hectares para 57 milhões de hectares, segundo um estudo do MapBiomas detalhado nesta quarta-feira (13/10) em um webinar técnico feito a partir do projeto Brasil Revelado. O evento recebeu a cobertura do site da revista Globo Rural.

O lado mais cheio, entretanto, mostra que a qualidade das pastagens melhorou a partir dos anos 2000. As áreas sem degradação, considerando também apenas o bioma amazônico, passou de 41% para 56%. Nestas últimas duas décadas, o total de áreas usadas para pastagens na região cresceram menos do que o estimado para o fim do século passado. Enquanto em 2000, 44 milhões de hectares eram destinados ao gado, em 2020 o número chegou aos 55 milhões de hectares.

A questão da pecuária no Brasil é sempre cercada de dicotomias. Enquanto ministros e outras lideranças políticas do setor afirmam que não é preciso derrubar mais nenhuma árvore para aumentar a produção de alimentos, o desmatamento continua alto. Neste contexto, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade e mostrar que os recursos públicos devem ser direcionados para quem produz sem desmatar,  o Instituto Escolhas lança nesta quinta (14/10) a campanha “Chega de financiar o desmatamento com o dinheiro público”. Segundo a instituição, há 90 milhões de hectares de pastos degradados que podem ser incorporados à produção de alimentos nacional.

Em tempo: Por conta do Dia da Pecuária, vários textos discutiram o dilema do setor no Brasil. Enquanto grande parte está focada em práticas socioambientais, uma parcela dos produtores ainda patinam e cometem irregularidades ou contribuem para crimes ambientais. No Valor, Daniel Rittner coloca o dedo na ferida em um dos argumentos mais repetidos pelo agronegócio para defender a sustentabilidade no setor. Nomes importantes do agro, como os dos ex-ministros Roberto Rodrigues e Kátia Abreu, defendem que a produção de alimentos pode crescer no Brasil sem desmatar. “Se existe um aparente consenso, então por que raios ainda desmatamos tanto? Por que a devastação continua sendo financiada com recursos públicos (crédito com taxas subsidiadas, seguro rural, anistias, incentivos tributários)?”, questionou Rittner.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.