IBAMA notifica empresas de Minas Gerais suspeitas de comercializar madeira ilegal da Amazônia

95 milhões de metros cúbicos de madeira e carvão suspeitos de irregularidade em MG

Em Minas Gerais, 21 madeireiras foram notificadas por fiscais do IBAMA devido a irregularidades encontradas no lançamento dos “créditos de madeira”. Esse sistema controla a origem e o destino de toda a madeira nativa que é comercializada. Suspeita-se que as empresas, de Belo Horizonte, Contagem, Divinópolis e Sete Lagoas, mantenham, de forma irregular, créditos acima do que é permitido. Durante a operação, os fiscais encontraram quase 95 milhões de m³ de madeira e carvão vegetal de origem nativa.

Sempre que é feito um carregamento, um “crédito de madeira” é emitido como forma de controlar a origem do produto e certificar que não veio de desmatamento ilegal. Quando a madeira é vendida, o crédito é repassado com o carregamento ao consumidor, até seu destino final.

As madeireiras que foram notificadas precisam entregar um laudo com a quantidade de madeira em estoque. Assim o IBAMA poderá conferir os créditos extras declarados no sistema de cada empresa. O excesso de crédito é ilegal, segundo matéria publicada pelo G1.


Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento. O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.