Em meio a grandes incêndios, o Cerrado pode ficar sem monitoramento espacial

Atual sistema de monitoramento existe desde 2016, e é financiado por projeto financiado que termina em dezembro, porém governo federal não dá sinal de que haverá recursos para a iniciativa além desse prazo

A falta de verba no INPE pode inviabilizar o monitoramento do Cerrado via satélite. Como lembra a Vanguarda/G1, os recursos disponíveis garantem o funcionamento do sistema somente até o final de dezembro. O momento é o pior possível para esta notícia, já que o bioma registrou em agosto seu maior desmatamento desde 2012, e os focos de incêndio também se multiplicam.

O atual sistema de monitoramento existe desde 2016, e é financiado por meio de um projeto financiado pelo Forest Investment Program (FIP), administrado pelo Banco Mundial. A verba inicial de US$ 9 milhões se encerraria em 2020, mas os pesquisadores do INPE conseguiram estender a utilização dos recursos até o final deste ano. No entanto, não há nenhum sinal por parte do governo federal de que haverá recursos para financiar a iniciativa para além desse prazo.

Sem o monitoramento, até mesmo informações meteorológicas necessárias para a produção agrícola na região ficarão comprometidas. O Globo também repercutiu a situação.

Enquanto isso, cerca de 14 mil hectares do Cerrado da região da Chapada dos Veadeiros já foram queimados por incêndios florestais na última semana. Cerca de 150 bombeiros e brigadistas lutam desde o final de semana retrasado para conter o fogo, sem sucesso. De acordo com o ICMBio, as chamas ainda não atingiram a área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, mas o tempo seco e o vento forte aumentam o risco do fogo se aproximar. Agência Brasil, G1, Metrópoles e O Globo deram mais informações.Em tempo: No podcastHabitat (Folha), Jéssica Maes e Natália Silva explicaram como a destruição do Cerrado está prejudicando as principais bacias hidrográficas do Brasil. Isso porque a diversidade vegetal do bioma facilita a absorção de água da chuva, que depois alimenta rios como o Paraguai e o Paraná.

Este conteúdo pode ser republicado livremente em versão online ou impressa. Por favor, mencione a origem do material. Alertamos, no entanto, que muitas das matérias por nós comentadas têm republicação restrita.

Aqui você encontra notícias e informações sobre estudos e pesquisas relacionados à questão do desmatamento.

O conteúdo é produzido pela equipe do Instituto ClimaInfo especialmente para o PlenaMata.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.