Monitoramento do Cerrado continuará a ser feito pelo INPE até o final do ano

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) deve continuar a monitorar o desmatamento do Cerrado até o final deste ano.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) deve continuar a monitorar o desmatamento do Cerrado até o final deste ano. Após um período de incertezas, com o programa correndo o risco de ser paralisado por falta de verbas, o INPE conseguiu realocar parte do orçamento não utilizado e aproveitar a alta do dólar para continuar o trabalho.

Os alertas de desmatamento (DETER-Cerrado) e o monitoramento anual para o bioma (PRODES-Cerrado) contam com financiamento do Banco Mundial, pelo Programa de Investimento Florestal (FIP).

Para 2022, o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), a quem o INPE é vinculado, vem negociando com o Ministério da Agricultura (MAPA). A ideia é alocar o FIP Cerrado em outro programa do Banco Mundial, informa ((o)) eco.

Se você gostou dessa nota, clique aqui e assine a Newsletter PlenaMata para receber o boletim completo diário em seu e-mail.